January 12, 2011

Anti Mormons e outros


Eu não gosto de rotular ninguém de anti-mórmon. Mas também acho inapropriado rotular outros de ortodoxos, liberais, pois acredito que isso é pessoal, diz respeito a cada um, e ninguém pode julgar o que o outro é ou deixa de ser.

Qualquer um, tendo identidade ou não, pode fazer um blog na internet. Alguns para registrar seus escritos, outros para tentar impressionar um público, outros para difamar uma Religião, outros para protestar sobre o que não acreditam.

O problema com esses blogs e outros são as fontes.

Os artigos escritos não possuem fontes de onde as informações são tiradas. Pelo menos não a maioria das fontes usadas. Se possuem, são dúbias, ou de literatura cheia de ódio, ou de verdade mesclada com a mentira.

Também citam traduções de outros sites e blogs que são considerados 'mistos', isto é, sites que possuem artigos escritos por anti mórmons conhecidos (não preciso citar os sites aqui), fontes de história não conhecidas, fontes de outras igrejas, enfim... acho um pouco imaturo escrever dando-se a certeza que algo ocorreu de tal forma, se não se checou todas as fontes existentes e possíveis.

A Church History Library em Salt Lake e o Projeto Joseph Smith Papers têm documentos, manuscritos originais (não reescritos como muitos argumentam), e já desbancaram muitos dos sites anti mórmons existentes. Muitos anti mórmons conhecidos agora reescrevem seus artigos, apagando trechos onde suas 'suposições e mistura de verdades com suas idéias' (filosofia dos homens) já não tem razão de ser.

Alguns não gostam da nomenclatura 'Anti-Mormon', dizendo que os líderes da Igreja não dizem isso. Será? Não conhecem tudo. E, por que a preocupação, se pouco estão se lixando em como eles próprios generalizam e chamam a todos os membros da Igreja e seus líderes e profetas?
Uma boa sugestão seria estudar o projeto Joseph Smith Papers e visitar a CHL para escrever sobre a verdade como ela é, não suposta, mas real.

Alguns blogs e sites até colocam um post recomendando o Joseph Smith Papers, mas isso não significa que os artigos escritos lá estão de acordo com a documentação (que ainda está sendo) compilada (em volumes lançados conforme terminam documentos) de JSP.

Colocar sites oficiais, links diretos para documentos históricos, Journal of Discourses, JSP e muitos outros pode, na visão de alguns mais inocentes, dar uma certa credibilidade ao blog (embora muitos sites declaradamente anti mórmons também o façam), mas não é garantia que o que está escrito condiz com aquelas fontes, pois nos artigos não constam fontes de onde os pensamentos foram tirados, ou seja, na maioria das vezes é suposição da pessoa que escreve (ou copia ou traduz de outros sites) de acordo com a visão de mundo da atualidade em que ela vive.

Quem quer buscar a verdade dos fatos, o faz por meios não duvidosos. Neste artigo eu falo sobre isso.

Não precisamos defender a Igreja, pois a mesma faz questão de expôr a verdade dos fatos para aqueles que não possuem todas as informações. Não sabemos tudo e mais sobre o mesmo é sempre bem vindo, desde que colocado com o devido respeito, sem sarcasmo ou provocação, afinal, esta é a Igreja do Fazer, do Saber e do Ser.

"Nós incentivamos, como Igreja, o estudo do evangelho e a busca de entender toda a verdade. A crença na liberdade individual de pesquisa, pensamento e expressão é fundamental em nossa teologia. O debate construtivo é um privilégio de todo santo dos últimos dias."

(Gordon B. Hinckley, Segundo Conselheiro na Primeira Presidência, Ensign de Setembro de 1985, p. 5)

Para quem quer ver o discurso inteiro do Pres. Hinckley:

http://www.lds.org/ldsorg/v/index.jsp?hideNav=1&locale=0&sourceId=cd908949f2f6b010VgnVCM1000004d82620a____&vgnextoid=2354fccf2b7db010VgnVCM1000004d82620aRCRD

Pres. James Faust também disse algo sobre isso na Conferência Geral de Outubro de 1985. Estou sem tempo de procurar agora, mas aqui o link de todas as conferências:

http://search.ldslibrary.com/article/view/77096

Depois de lerem este discurso de Pres. Hinckley, verão que devemos sim pesquisar, mas não cansar até encontrar a total verdade dos fatos. A própria Igreja faz questão de preservar estas verdades, mesmo que alguns julguem contrárias à mesma.

Por agora, ler sites da história oficial, não oficial, anti mórmons, duvidosos, e depois dissertar com linguagem rebuscada e erudita, não citando todas as fontes das quais se utilizaram para elaborar tais artigos, e ainda, orgulhosamente, acusando uns e outros, por orgulho exacerbado ou por pré-indisposição à outros, de não concordarem com o que é escrito ali, é desnecessário.

Pregar uma história, porque, aos seus olhos, 'soa verdadeira ou faz sentido' sem saber realmente se o é ou não, e se satisfazer com isso, distoa da verdade que nos liberta.

É bom lembrarmos ainda que somos todos da Igreja de Jesus Cristo. Sua Verdade é o que nos interessa. E tudo o que fazemos ou dizemos faz parte de nossos frutos que queremos passar adiante nesta vida.

"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito na verdade, está pronto, mas a carne é fraca... na vossa paciência salvai vossas almas." (Mc 14:38)

Penso que sobre o que foi dito ou não dito, sobre o que quem disse, ou quem não disse... enfim... acho que internet é uma faca de dois gumes... todos nós aqui estamos aprendendo a nos expressar. E isso, na minha opinião não tem muita importância, afinal, alguém disse que 'ofensa só ofende quando tem razão'.

Anti mórmon é algo ou alguém que diz algo contra os mórmons. Fato. Se se diz algo contra a Igreja, a doutrina, a história, os profetas, as revelações e se prega contra isso, se escreve contra isso, propaga-se uma idéia que não representa a verdade total sobre algo, é anti.

O que não podemos é ser anti-Cristo. Pregar e ensinar e acreditar e escrever contra os ensinamentos de Cristo. Ou seja, todo esse mal estar desnecessário, falta de entendimento, orgulho em reconhecer algumas críticas sobre o blog, tudo isso foge dos ensinamentos d'Ele.

Existem escrituras também que Cristo disse:

"Pois quem não é contra nós, é por nós" (Marcos 9:40; Lucas 9:50);

Na mesma linha, Ele disse também:

"Quem não é por mim é contra mim, e quem comigo não ajunta, espalha" (Mateus 12:30; Lucas 11:23).

Minha preocupação é, se com alguns artigos 'mistos', estamos ajuntando mais, ou espalhando?

Eu gosto muito da definição de McKay Coppins sobre como se define um anti-mórmon, após ele explicar sobre os argumentos que alguns estão usando neste tópico, ele diz:

"The line, I believe, that separates non-Mormons from anti-Mormons is motivation. Anti-Mormons are people who put down Mormon beliefs, practices and people simply for the sake of destroying their faith. Not many anti-Mormons would admit that is their primary goal, of course, but that doesn't mean it isn't so.

For the most part, anti-Mormons should be ignored. But before that can happen, they have to be identified."

"http://www.mormontimes.com/article/1111/What-is-the-definition-of-anti-Mormon

Estamos aqui tentando identificar artigos anti mórmons, não pessoas.

A diferença, como ele diz, é a motivação.

Os textos destes blogs estão aproximando as pessoas à Cristo e Sua Igreja, ou as estão espalhando (conforme a escritura que postei acima da frase de Cristo)??

Alguns dizem que se trata de opinião dos autores como outro qualquer blog, mas o que li de um anti mórmon esta manhã : "Ora, mas se o blog X se chama Y e contém livros considerados anti mórmons na relação de livros e nas bibliografias dos artigos, então é mórmon porque são mórmons que escrevem. Se for opinião deveriam então dizer isso no blog e mudar o nome do mesmo."

Mas enfim, não sou eu quem o diz.

As pessoas, na minha opinião, tornam-se anti mórmons também devido a alguns mórmons que agem como se nem cristãos fossem. Alguns, na sua ânsia de defender o que não precisa de defesa, ciram fakes virtuais e formam uma verdadeira guerra com aqueles que pensam que não precisam seguir mais nenhum padrão de ética, por estarem fora da Igreja, e acabam quebrando seus próprios convênios e se misturando no mesmo grupo, pois a maioria dos anti mórmons também são fakes.

Infelizmente o que falta é entender que as pessoas são imperfeitas, que todos erramos, mas que melhoramos, e merecemos outra chance. Quando uma pessoa ataca e combate a nossa religião tentando diminuí-la é justamente pra tentar sentir-se melhor de todo o mal que lhe fizeram.

E muitas vezes nós mesmos (sem exceção - e eu me incluo nessa) criamos esses monstros, que perdem sua vida na tentativa de combater o que não precisa ser combatido, se soubessem ir adiante com suas vidas, perdoar-nos de nossos erros, e reconhecerem que nós também estamos tentando, assim como qualquer um deles.

Aqueles que se tornam anti-Cristo, pois devido à total decepção e frustração com a Igreja, até deixam de acreditar n'Ele, misturam algo que não podem. E todos nós temos culpa disso e responderemos por isso. Mas é deles a dor maior num  futuro não muito distante.

A verdadeira Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias não são somente pessoas que participam de comunidades na internet, mas o conjunto das ações de milhões que não vemos aqui, quando fazem exatamente o que aconselha o nosso Profeta, guiado diretamente por Jesus Cristo.

Erramos, pedimos desculpas, mas não nos dão crédito. Aí então desistem de si mesmos, deixam de acreditar no que o Espírito lhes disse um dia, e vivem na amargura de achar que eles mesmos 'não têm mais jeito'. E daí pecam e se distanciam e tentam fazer de conta que estão bem com isso tudo.

Ser anti Cristo é pessoal demais. Com Jesus Cristo. E acredito que todos deveriam fazer as pazes com Deus e seu Filho, não importa qual idéia façam d'Eles. Não deveriam se tornar anti Cristo por nossa falta.

Mas alguns escolhem não entender isso e não resolver os problemas, culpando a Igreja e mesmo a Cristo, que já derramou muito sangue por todos nós, e parece que querem que Ele derrame ainda mais.

_________________________________________________________

Frases de anti mórmons famosos:

"...os mórmons devem ser tratados como inimigos e devem ser eliminados ou expelidos do estado se necessário. Se não o fizerem, matem todos..."

Governador Lilburn Boggs de Missouri, em 1838. Essa "ordem de exterminação" resultou nas mortes ao menos de 60 mórmons e os estupros de dúzias de mulheres e de meninas mórmons. Muitos outros morreram de frio quando foram forçados a evacuar o estado. A ordem de exterminação foi finalmente repelada em 1976.

"Lêndeas se tornam piolhos, e se ele tivesse vivido teria se tornado um mórmon, melhor morrer”.

Frase do assassino orgulhoso de Sardius Smith, uma criança de 10 anos, em 1838. Ele matou muitos outros bebês e crianças por serem de famílias mórmons. Duzentos a duzentos e cinqüenta tropas, sob o comando do coronel Thomas Jennings e autorizados pela ordem de exterminação do governador de Missouri, atacaram a vila mórmon de Haun’s Mill, matando dezoito membros da igreja somente naquele local. Poucos dias depois diversos homens da milícia anti-mórmon pilharam a cidade e brutalmente estupraram dezenas das mulheres. O êxodo forçado dos anos seguintes provavelmente tomou mais milhares de vidas mórmons.


Ser anti qualquer coisa é negar conhecer o que se critica, e, se se conhece, deveria-se respeitar.

Preconceito é preconceito, seja ele contra judeus, negros, homossexuais ou mórmons. Se se exige de um deve-se ter pra todos.

Anti-mórmons não são aqueles que respeitosamente não concordam com certos pontos da doutrina mórmon, nem aqueles que passam informações erradas sobre mormonismo simplesmente porque são mal-informados. Mas aqueles - e são muitos muitos - que odeiam A Igreja de Jesus Cristo - SUD e ativamente procuram desacreditá-la ao espalhar intencionalmente mentiras e ódio.

O mais interessante é que alguns são cristãos ou pelo menos acreditam na regra de ouro se não têm religião.

O número de crimes anti-mórmons tem aumentado nos últimos anos.
Aqui está um resumo das notícias recentes:

1. Mesa Arizona (Novembro, 2007): Alguém toca fogo numa capela Mórmon.

2. Fullerton, Califórnia (27 de Novembro, 2007): Uma suástica e os números 666 são pintados nas paredes e pinturas religiosas dentro de uma capela mórmon. As janelas de uma outra capela mórmon na mesma cidade são quebradas.

3. Highland, Utah (13 de Janeiro, 2008): Alguém pinta duas mensagens na parede de um edifício de seminário, onde se realiza aulas religiosas para jovens mórmons. As duas mensagens são essas: "Vimos para destruir o império mórmon” e “Vocês não estão mais seguros!”

4. Finlândia (Janeiro, 2008): Alguém toca fogo numa capela Mórmon.

5. Phoenix, Arizona (6 de Abril, 2008): Um missionário mórmon ouve alguém batendo levemente na sua janela, 4 horas da madrugada. Quando o missionário sai para determinar a fonte do som, um homem vestido de preto, usando uma máscara, soque-o na cara. Durante o crime, o missionário percebe que de fato há dois atacantes. Os criminosos gritam frases anti-mórmons enquanto batem no missionário.

6. Placedo, Texas (21 de Abril, 2008): As palavras "Mórmons deve morrer. Vai PAGAR!" e "cuidado aí" são pintadas na casa de uma família mórmon em tinta vermelha.

7. Richmond, Virginia (30 de Abril, 2008): Um jovem se aproxima a dois missionários na rua e soque um dos missionários na cara. A mandíbula do missionário é quebrada e ele é tratado no hospital.

8. Gilbert, Arizona (3 de Maio, 2008): Um grupo se aproxima a dois jovens no parque e pergunta a eles se são mórmons. Quando os jovens respondem que são, o grupo começa a tirar neles com uma arma de chumbo e a bater neles. Um dos jovens mórmons é tratado no hospital.

9. Temple Square (Outubro de 2008 por ocasião da aprovação da Prop.8): "Vamos estuprar seus filhos assim vocês respeitarão gays quando tiverem todos seus meninos molestados".

E alguns outros.

Na nossa sociedade, quando crimes destes são cometidos contra Judeus ou Palestinos, homossexuais ou negros, são justamente denunciados nas primeiras páginas dos jornais do país.

Um número crescente de acadêmicos não-mórmons tais como Thomas O'Dea, Harold Bloom e Martin Marty consideram o Mormonismo uma etnicidade única que inclui pessoas de várias nações e cores, mas aparentemente não somos uma etnicidade protegida. Crimes contra mórmons raramente aparecem nos jornais.

Acredito que ao invés de rotularmos uma religião ou pregar a intolerância, deveríamos agir da mesma forma que exigimos para outros grupos.

Alguns dos secularistas e ateístas tais como Christopher Hitchens que implicam que os Mórmons são estúpidos ou ridículos incentivam estes crimes.

Querem denunciar, segundo sua visão de mundo, coisas da História da Igreja, palavras ditas antigamente, o façam, mas chamar profetas e membros da igreja de palavras chulas, de baixo calão, fazer acusações que não têm provas, é só contribuir para o mau uso da internet, e da 'ilusão' que se tem de que esta lhe traga anonimato.

Políticos como Mike Huckabee (candidato ao senado de Utah, hehe) que implicam falsamente que Mórmons de alguma forma respeitam Satanás também jogam gasolina no fogo.

E os líderes religiosos tais como Ed Decker e Bill Keller e outros pastores famosos que ao invés de pregar Cristo em seus cultos demonizam os Mórmons e pregam ódio também às outras religiões também são cúmplices.

Felizmente, a maioria dos ateístas, secularistas, políticos e líderes religiosos não são preconceituosos, mas mesmo assim sentimentos anti-Mórmons e mesmo anti alguma coisa são sempre crescentes em todo lugar. Alguns lutam pela paz e são contra guerras, mas fazem questão de incentivar o ódio à Igreja ou a qualquer outra coisa, dizendo que 'ser anti é saudável. '

E não foi isto que Cristo ensinou. O que Ele ensinou foi, além do 'Ama teu próximo como a ti mesmo', o "Tira primeiro a trave do teu olho, pois como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o cisco do teu olho, quando tens a trave no teu?".

Ou seja, antes de julgarmos os outros e pregarmos o ódio, deveríamos no mínimo avaliar a nós mesmos, sobre nossa religião, sobre nossas crenças, idéias e valores, sem medo do que será visto.

Eleger um inimigo pra projetar nele a própria insatisfação da vida é crítico.

Eu não tenho nada contra a História da Igreja nem sobre supostas 'verdades' alguns dizem que não aceitamos, pois é a própria Igreja que, dia após dia, abre totalmente seus arquivos, mostrando arquivos e tesouros históricos, jornais, diários, cartas, documentos e muitos outros. Originais.

A própria Farms, Fair, Inst. Maxwell, Mormon Apologetics, LGT e outros estão agindo diferentemente, não combatendo literatura anti mórmon, ou mesmo usando senso de defesa 'sensível', mas averiguando a verdade dos documentos restaurados por JSP, NHPRC e muitos outros que guardam documentos originais da História da época da Restauração, como o próprio site do JSP apresenta links aqui:


Há uma diferença muito grande entre:
- querer polemizar, contando uma história usando literatura parcialmente anti mórmon, leiga ou laica, ou de pessoas sem autoridade para tal, talvez porque esta "faça sentido" aos olhos de quem os divulga (de acordo com sua experiência de vida), e
- esclarecer divulgando a verdadeira história buscando em documentos existentes e reais (que não são de propriedade exclusiva da Igreja, mas mostram exatamente como os fatos aconteceram, e algumas vezes possuem muito mais detalhes do que algumas outras fontes duvidosas).

Também é complicado quando uma pessoa faz a conclusão de um assunto sem levar em conta todos os lados de uma história, ouvindo apenas uma parte de argumentos, sendo que não conhece todo o problema, rotulando outros.

A verdade e que a liberdade do outro deve ser respeitada, e a minha termina onde a do outro começa, e há público para todo tipo de idéia. E já que aqui não é a Igreja, ou em comunidades do orkut, nem uma Ala, as idéias e suposições deveriam ficar por aí, não partir para agressões desnecessárias, onde crimes são cometidos, e, felizmente, há LEI para se sanar, e muitos se arrependem, se não por bem, pela palavra de um juiz.
Um dia irei apenas responder pelo que me cabe no tocante ao Evangelho de Jesus Cristo. E isto Ele disse o que é:

"E, sobre tudo isto, revesti-vos de caridade, que é o vínculo da perfeição". (Col.3:14)

Se todos estiverem conscientes do que estão fazendo, levando em conta o que é que realmente lhes cabe como responsabilidade, não o fazendo somente para ganhar 'status' perante um grupo de pessoas ou para obter glórias no mundo, e lembrando, que o que realmente conta, é o que fazemos de bom pelo nosso próximo, e o que fazemos para ajudar uns aos outros na obediência e progresso dos filhos e filhas de Deus, ótimo.

Seria interessante saber se todos nós estamos preparados para encontrar Jesus Cristo frente à frente, mesmo se não acreditam n'Ele.
Alguns dizem que: 'Ser anti mórmon é ser criminoso', após os relatos de crimes cometidos por anti mórmons que postei acima, mas é bom lembrar que nem todo anti mórmon é criminoso.

Mas considerando a lei que inclui crimes desde calúnia, difamação, injuria, deboche da liberdade de expressão, até assassinato e estupro, como nos fatos acima, existem muitos anti mórmons, e mesmo mórmons que, se não conterem seu ódio pela Igreja ou por seus membros, ou mesmo ex membros, poderão vir a cometer tais crimes.

Mas, também neste caso como em qualquer outro não se pode generalizar. Senão cairemos no mesmo erro da maioria deles: generalizar que todos são ruins ou criminosos.

__________________________________________________________________________
Uma das coisas que contribuí­ram e muito para minha conversão à Igreja foi justamente isso; quando os missionários chegaram até mim eles não falaram dos erros dos católicos, dos evangélicos, e etc. Eles não vieram para me mostrar esses erros da minha antiga fé e assim me fazer desacreditar desse grupo, fazendo com que eu me filiasse à igreja LDS somente por falta de opção. Não foi isso que aconteceu e era justamente o que sempre aconteceu e com freqüência com os outros grupos religiosos ou anti mórmons em relação aos mórmons.

Os missionários me ensinaram algo novo. Realmente posso dizer que me ensinaram "boas novas". Eles não precisaram mostrar os erros de ninguém. Com a luz de sua mensagem eu pude ver por mim mesma.

Quando os missionários das outras igrejas vinham à minha casa, eles tentavam me fazer acreditar em suas igrejas não pela sua mensagem, mais sim pela explanação dos erros que as outras igrejas possuí­am; ou seja, era um processo seletivo. Depois de ver que todas estavam cheias de erros só restavam uma alternativa, ou seja, depois que ofuscavam a luz das outras 'estrelas' agora eu podia ver a luz 'deles'.

Não podemos esperar que as pessoas aprendam a verdade vendo os erros, e sim, que as pessoas vejam os erros aprendendo a verdade.

Quem tem a luz em si não precisa diminuir a luz dos outros para poder ser visto, pois a excelência de sua luz ilumina até mesmo entre outras maravilhosas luzes e isso o torna distinto entre os outros.

Mais para quem não tem luz, não podemos esperar outra atitude a não ser a de apagar a luz dos demais para que a sua treva possa ser vista, e assim possa fazer com que todos acreditem que a suas trevas não são trevas e sim luz.

Afinal, cada um dá o que tem.

Isto não é válido somente para os mórmons, mais para qualquer ser humano, em qualquer ocasião.

Leva muito tempo para alguns perceberem que precisam aprender a respeitar as crenças diversas que estão espalhadas sobre todo esse nosso globo.

Não é preciso acreditar para respeitar, mais é necessário respeitar para ensinar.

No último mês, eu tive a oportunidade de participar de dois 're' batismos. Os dois haviam sido excomungados há mais de 15 anos.

Dois ex mórmons que eram anti mórmons ferrenhos. Um é de minha Ala. Ele diz hoje que se ele tivesse cuidado da vida em outra direção, ao invés de negar ou ter atacado a Igreja, falado mal de líderes e membros, participado de protestos na Temple Square e tudo mais, ele teria sido mais feliz.

Mas tudo isso só contribuiu para o aumento de problemas psicológicos que luta hoje em terapia, como recalque, paranóia, neuroses e incapacidade de prover para si mesmo, sempre culpando alguém ou alguma instituição de suas falhas.

Ele diz que mesmo quando quis provar que odiava a igreja, que Jesus Cristo não existia, para que se sentisse melhor, ainda sentia muitas vezes que algo ou alguém se importava com ele. Por muitas vezes metralhou seus mestres familiares com perguntas, desrespeitou profetas e vizinhos, mas hoje ele diz que perdeu tempo, e que se tivesse vivido as coisas boas que aprendeu, e gasto seu tempo com o que realmente importava na vida, tudo teria sido muito diferente.

O batismo dele tinha mais de 200 pessoas, inclusive alguns anti mórmons que vieram pra 'debochar' de sua atitude de ser rebatizado, mas que saíram dali diferentes, alguns se pergutando qual a perda de tempo em anos de combate à algo que não depende deles pra existir.

Alguns exemplos de anti mórmons atuais:

Monte Cumorah em NY... na entrada... todo dia, toda noite.










No comments: